quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Vergílio Ferreira - 100 anos

“Todo o animal tem uma alma à medida de si. Só o homem a tem infinitamente maior. E o seu drama, desde sempre, é o de querer preenchê-la.”

“Quanto mais alto se sobe, mais longe é o horizonte.”


Romancista e ensaísta português, natural de Melo (Gouveia), nasceu em 1916 e morreu em 1996. Estudou no Seminário do Fundão, licenciou-se em Filologia Clássica na Universidade de Coimbra e exerceu funções docentes no Ensino Secundário. Notabilizou-se no domínio da prosa ficcional, sendo um dos maiores romancistas portugueses deste século.
Literariamente, começou por ser neo-realista (anos 40), com "Vagão Jota" (1946), "Mudança" (1949), etc. Mas, a partir da publicação de "Manhã Submersa" (1954) e, sobretudo, de "Aparição" (1959), Vergílio Ferreira adere a preocupações de natureza metafísica e existencialista. A sua prosa, que entronca na tradição queirosiana, é uma das mais inovadoras dos ficcionistas deste século.
O ensaio é outra das grandes vertentes da sua obra que, aliás, acaba por influenciar a sua criação romanesca. Temas como a morte, o mistério, o amor, o sentido do universo, o vazio de valores, a arte, são recorrentes na sua produção literária. Além disto, Vergílio Ferreira deixou-nos vários volumes do diário intitulado "Conta-Corrente". Das suas últimas obras destacam-se: "Espaço do Invisível", "Do Mundo Original" (ensaios), "Para Sempre" (1983), "Até ao Fim" (1997) e "Na tua Face" (1993). Recebeu o Prémio Camões em 1992.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

O pior contador de Histórias na ESFN


No dia 20 de janeiro, os alunos do AP7, 8 e 9 e do GD3 e do S8 participaram numa sessão com o contador de Histórias Rodolfo Castro que estudou muito para ser o melhor contador de Histórias e  não conseguiu; estudou também para ser o pior e não conseguiu.

Para esta sessão com alunos do secundário desconfiados, porque associavam “Contador de Histórias” a um público para crianças, Rodolfo Castro contou lendas da sua terra (Argentina) e a versão original de alguns contos tradicionais.
Conseguiu a atenção do seu público e arrancou várias gargalhadas, mesmo dos mais céticos, pois estas histórias não tinham um final feliz.
Agradecemos a sua vinda à nossa escola e esperamos que a formação que ele iniciará em fevereiro tenha o mesmo sucesso.




quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Encontro com a escritora: Patrícia Ribeiro





N
o dia 29 de janeiro, das 12h00 às 13h25, realizar-se-á   na Escola Secundária Fernando Namora um encontro com a jovem escritora Patrícia Ribeiro que apresentará o seu último romance, Os homens nunca saberão nada disto, aos alunos do 11º e 12º anos. 




“Todos os dias, durante dezoito anos, imaginei uma vida que está a começar agora. São nos impostas duas pressões terríveis: a de alcançarmos os nossos sonhos, realizarmos os nossos desejos, chegarmos até onde ambicionamos, e a de ultrapassarmos os nossos pais, corrigirmos os seus erros, sermos pessoas melhores.”

Vencedores do Concurso Literacia 3D - Fase Escola


Estão apurados para a fase distrital do Concurso literacia 3 D os seguintes alunos:
Prova de Leitura 5º ano:
Madalena Malveiro Marianito (5ºE) com 77%
Prova de Ciências 8º ano:
André Filipe F. Balastreiro (8º3) com 67%
A competição distrital decorrerá entre 29 de fevereiro e 4 de março na capital de distrito.
Muitos Parabéns aos participantes e, em especial, aos alunos vencedores!

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Leituras Partilhadas - O rapaz do caixote de madeira

O rapaz do caixote de madeira é mais uma história sobre a 2ª Guerra Mundial, mais uma história sobre o Holocausto. Mas este testemunho lê-se muito bem, uma narração clara, objetiva, cheia de sensibilidade.
Acompanhamos Leon Leysen desde a sua infância feliz numa aldeia polaca até aos anos de ocupação nazi, a vida no gueto de Cracóvia, nos campos de concentração de Plaszów, Gross-Rosen, na fábrica de Schindler. Leon conta as dificuldades que teve que enfrentar, como sobreviveu ao medo, à fome, ao frio, à separação da sua família, aos trabalhos forçados, às humilhações e violência de muitos alemães nazis. Estas vivências são relatadas entre os 10 e os 15 anos.
Depois de ler esta obra, pergunto-me de novo como foi possível existir tanto ódio, tanta falta de humanidade. Quantas maldades o homem pode cometer!

Mas nesta obra, há também o lado bom. É o caso da descrição de Oskar Schindler que salvou tantos judeus e um desses judeus era Leon Leyson, o mais novo da Lista de Schindler. É também a força do narrador que nunca desiste de sobreviver e de encontrar a família e que, no inferno em que é condenado a viver, encontra sempre pequenas coisas para valorizar.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Prova de Livros na SMBA - 2º Edição

5ºF
5ºH


No mês de dezembro e janeiro, as turmas do 5º ano participaram em mais uma Prova de Livros. Nesta atividade, os alunos observaram, folhearam, leram e avaliaram 4 ou 10 livros da biblioteca escolar. Pintaram estrelas para classificar as obras selecionadas e aquelas que pareciam mais apetecíveis, pediram para requisitar para leitura domiciliária.




Foi também uma oportunidade para enriquecer o seu vocabulário. Muitos desconheciam as palavras “apelativo”, “sugestivo” e a maioria associava a palavra “prova” a um exercício de avaliação e não a uma experiência ou experimentação. No final destas provas, os alunos fizeram uma Leitura Improvável; cada um pegou num livro e leu uma frase e com estas frases, por vezes, até se conseguiu construir uma história.

5ºC
5ºC
5ºB
5ºF


terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Melhor Leitor - 1º Período


Os livros mais lidos pelos alunos  do 3º ciclo, neste 1º período,  são: 
- O Diário de um Banana de Jeff Kinney;
- A minha vida dava um filme de Paula Pimenta;
- O caderno vermelho da Rapariga Karateca de Ana Pessoa.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Concurso "Elos de Leitura em Cartaz"

No âmbito da 10 ª Edição da Semana da Leitura, o Plano Nacional de Leitura convida as escolas a participarem no Concurso «Elos de Leitura em Cartaz».
Propõe-se que, a par do prazer de ler, se criem momentos de reflexão em torno de questões atuais e determinantes, como a globalização e a necessidade de aprendermos a lidar com a complexidade de um mundo heterogéneo, desenvolvendo ELOS que suportem o entendimento entre os povos. A leitura suporta e ilustra a diferençao pluralismo e a multiculturalidade, criando elos de informação e de compreensão que nos ajudam a lidar com a heterogeneidade da Humanidade e a aceitarmos valores universais,  unindo-nos em torno dos direitos humanos, na construção de sociedades inclusivas.
As escolas poderão participar no Concurso «Elos de Leitura em Cartaz» com um trabalho por nível/ciclo de educação e de ensino, conforme o Regulamento que podem consultar aqui.


Olimpíadas da Língua Portuguesa na ESFN e SMBA


Decorre, de 11 a 15 de janeiro, as Olimpíadas da Língua Portuguesa nas Escolas Fernando Namora e Sophia de Mello Breyner Andresen. Estas olimpíadas são destinadas aos alunos do ensino básico (2º e 3º ciclo) que terão que resolver vários problemas da língua portuguesa.
Consulte o regulamento aqui