quarta-feira, 23 de novembro de 2016

“Poema das Folhas Secas de Plátano”


As folhas dos plátanos
desprendem-se e lançam-se na aventura do espaço,
e os olhos de uma pobre criatura
comovidos as seguem.
São belas as folhas dos plátanos
quando caem, nas tardes de Novembro

contra o fundo de um céu desgrenhado e sangrento.
Ondulam como os braços da preguiça
no indolente bocejo.
Sobem e descem, baloiçam-se e repousam,
traçam erres e esses, ciclóides e volutas,
no espaço escrevem com o pecíolo breve,
numa caligrafia requintada, o nome que se pensa,
e seguem e regressam,
dedilhando em compassos sonolentos
a música outonal do entardecer.
São belas as folhas dos plátanos espalhadas no chão.


Eram lisas e verdes no apogeu
da sua juventude em clorofila,
mas agora, no outono de si mesmas,
o velho citoplasma, queimado e exausto pela luz do Sol,
deixou-se trespassar por afiados ácidos.
A verde clorofila, perdido o seu magnésio,
vestiu-se de burel,
de um tom que não é cor,
nem se sabe dizer que nome tenha,
a não ser o seu próprio,
folha seca de plátano.
A secura do Sol causticou-a de rugas,
um castanho mais denso acentuou-lhe os nervos,
e esta real e pobre criatura
vendo o solo coberto de folhas outonais
medita no malogro das coisas que a rodeiam:
dá-lhes o tom a ausência de magnésio;
os olhos, a beleza.


António Gedeão

Dia Nacional da Cultura Científica - 24 de novembro 2016

O Dia Nacional da Cultura Científica foi instituído pelo antigo Ministro da Ciência e Tecnologia, José Mariano Gago, em 1996 em homenagem a Rómulo de Carvalho/António Gedeão, professor, divulgador de ciência e poeta.
No dia 24 de Novembro, pelas 12.30, realizar-se-á a cerimónia de atribuição do topónimo Largo José Mariano Gago frente ao Pavilhão do Conhecimento - Centro Ciência Viva, no Parque das Nações, em Lisboa. Este homenagem acontece no Dia Nacional da Cultura Científica e no âmbito das celebrações da Semana da Ciência e da Tecnologia.
Alunos de várias escolas irão plantar simbolicamente no largo um plátano oriental (Platanus orientalis), árvore que acompanha o conhecimento.

Tiago Carvalho Rosa, bisneto de Rómulo de Carvalho, fará a leitura do “Poema das Folhas Secas de Plátano”, de António Gedeão.

Neste dia a entrada no Pavilhão do Conhecimento é gratuita.
Consulte as 160 acções que decorrem em todo o país no Dia Nacional da Cultura Científica


segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Isto é Matemática - T11E01 - “Google, Googol e Googolplex”

CIRCO MATEMÁTICO NO MUSEU - 23 de novembro

Com cordas, cartas ou dados, um conjunto de artistas mostram como é possível fazer magia recorrendo à Matemática, a Matemagia. Tão divertido quanto pedagógico, numa aplicação da matemática a ambientes divertidos e descontraídos.
As sessões do circo estão de volta ao Museu Nacional de História Natural e da Ciência. Recebemos grupos escolares, do 1.º, 2.º e 3.º ciclos do ensino básico ou ensino secundário, mas também público em geral.

Sessões às 10h00, 11h00 e às 12h00 (cada sessão tem a duração de 1h).
Quando:
Quarta, 23 Novembro, 2016 -
10:00 a 13:00
Onde:
Auditório Manuel Valadares | Museu Nacional de História Natural e da Ciência

Preço: 2€ por participante (é necessário inscrição prévia)


Informações e marcações:
213 921 808 | geral@museus.ulisboa.pt
  

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Literacia 3 D - 2ª edição (2016/2017)

Na 2ª edição, inscreveram-se cerca de 90 mil alunos do 2º e 3º ciclos do Ensino Básico, envolvendo mais de 750 escolas de todo o país, incluindo as escolas do nosso Agrupamento. 
De 21 a 25 de novembro, realizar-se-ão as provas de Leitura (5ºano), Matemática (6º ano) e Ciência (7º ano).

Felicitamos, desde já, os alunos participantes!

Educar não é Fácil… a sua participação é Fundamental!

A Equipa do SPO (Serviço de Psicologia e Orientação) do Agrupamento, convida os Pais e Encarregados de Educação a estarem presentes na 1ª Sessão Parental que se realiza no dia 23 de novembro às 17h30 na EB1/JI Sacadura Cabral.
Consulte aqui o folheto.


sexta-feira, 11 de novembro de 2016

CONCURSO NACIONAL DE LEITURA 2016/2017, 11ª EDIÇÃO

Estão abertas as inscrições para os alunos do 3º ciclo da Escola Secundária Fernando Namora participarem na primeira fase do  Concurso Nacional de Leitura. Inscrevam-se na Biblioteca e/ou com o respectivo professor de Português até dia 30 de novembro.

As obras selecionadas para a 1ª fase do concurso, bem como o regulamento a nível de escola serão divulgados em breve.


Rimas de São Martinho - 8º 2

O São Martinho está a chegar
As crianças a cantar
As castanhas a assar
Para a barriga dos meninos agradar

O São Martinho está a chegar
As castanhas estão a assar
As crianças a saltar
Vão comer até rebentar

Castanhas quentinhas
Do lume a estalar
É dia de São Martinho
Vamos cantar e bailar

A fogueira está a arder
As crianças querem comer
Para a barriga encher
E o suminho beber

Ana Cruz e Rodrigo M. 8º 2ª

A castanha na fogueira
Mete-se a saltar
No dia de São Martinho
Não podes faltar!
Jéssica Trindade e Dialikatou 8º 2ª


Na festa de São Martinho
Bebe-se vinho
Mas as crianças
Bebem suminho
Júlia Chen, 8º 2ª

Castanhas quentinhas
No lume a estalar
Pelo São Martinho
Vou comer até me fartar
Pedro Leite 8º 2ª

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

4.ª edição do projeto Liberdade de Expressão e Redes Sociais - Violência no Namoro

A SIC Esperança, em parceria com a Rede de Bibliotecas Escolares e com o apoio da Porto Editora, lança a 4.ª edição do projeto Liberdade de Expressão e Redes Sociais ,  concurso nacional dirigido aos estudantes do 3.º ciclo do ensino básico ou do ensino secundário, com idade igual ou superior a 13 anos.

Os alunos são desafiados a trabalhar sobre o tema da Violência no Namoro, tendo em conta as dimensões da liberdade de expressão , das redes sociais e dos riscos e abusos que decorrem da sua utilização indevida ou transgressora, nomeadamente no âmbito das relações pessoais. 

Propõe-se como base para a reflexão e discussão da temática, a abordagem ao problema feita pelo programa E Se Fosse Consigo?.

O prazo de candidatura e de entrega dos trabalhos na Sic Esperança é 20 de janeiro de 2017.  

Consulta aqui o regulamento.

Como se prolonga a vida aos livros? Restauro e conservação nas bibliotecas escolares

InBlogue RBE

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Dias do Desassossego - 16 a 30 de novembro



De 16 a 30 de Novembro, a Fundação José Saramago e a Casa Fernando Pessoa voltam a trazer para diferentes espaços da cidade de Lisboa os Dias do Desassossego. Cruzando linguagens artísticas, o programa destes Dias faz-se de debates, concertos, leituras, ações de promoção da leitura, poesia e prosa ditas e passeios literários, partindo dos livros, dos seus autores, da leitura e da literatura.
«Uns governam o mundo, outros são o mundo. Entre um milionário americano, com bens na Inglaterra, ou Suíça, e o chefe socialista da aldeia — não há diferença de qualidade mas apenas de quantidade. Abaixo destes estamos nós, os amorfos, o dramaturgo atabalhoado William Shakespeare, o mestre-escola John Milton, o vadio Dante Alighieri, o moço de fretes que me fez ontem o recado, ou o barbeiro que me conta anedotas, o criado que acaba de me fazer a fraternidade de me desejar aquelas melhoras, por eu não ter bebido senão metade do vinho.»
in Livro do Desassossego 

Educação literária. Você já ouviu falar?

Quem deve cuidar da educação literária de uma criança? Qual é o papel da família e da escola nesse processo?

Januária Cristina Alves.
Todos nós podemos e devemos cuidar da educação literária das nossas crianças. Segundo nosso educador maior, o pernambucano Paulo Freire, a leitura do mundo precede a leitura da palavra, ou seja, todos somos os mediadores da leitura do mundo de nossas crianças. Ler para elas, com elas, observar o que nos cerca e conversar, perguntar o que veem e como veem, tudo isso faz parte da educação literária. Sem falar que nosso exemplo é o maior instrumento dessa educação. Uma criança que observa seus pais e professores lendo, percebendo os fenómenos que nos cercam e tentando compreendê-los vai entender que a leitura não só é algo interessante, mas necessário para compreender a nós mesmos e ao mundo em que vivemos.

Leiam  este artigo publicado no blogue da RBE

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Mário de Sá-Carneiro online

“Mário de Sá-Carneiro online”: um site para divulgar a obra do poeta além-fronteiras.
As dezenas de cartas e postais que o poeta enviou a Fernando Pessoa entre 1912 e 1916, o ano em que morreu, estão agora disponíveis para consulta através do site "Mário de Sá-Carneiro online".
In Observador.pt  

O amor

MOTE

Amor é chama que mata,
Sorriso que desfalece,
Madeixa que desata,
Perfume que esvaece.

                    (popular)

GLOSAS

Amor é chama que mata,
Dizem todos com razão,
É mal do coração
E com ele se endoidece.
O amor é um sorriso
Sorriso que desfalece.

Madeixa que se desata
Denominam-no também.
O amor não é um bem:
Quem ama sempre padece.
O amor é um perfume
Perfume que se esvaece.

                  Mário de Sá-Carneiro