quinta-feira, 29 de junho de 2017

12 de julho - I Jornada Pedagógica do Agrupamento Fernando Namora


Academia de Verão 2017 - Instituto Superior Técnico Lisboa

A Academia de Verão de Aprendizagem e Olimpíadas Científicas é um projecto-piloto que tem como objectivos divulgar as Olimpíadas Científicas e promover uma aprendizagem mais activa e orientada, junto de jovens entusiasmados com a Ciência. É organizado pelo TreeTree2 e decorre de 10 a 15 de Julho de 2017 no Instituto Superior Técnico (IST), em Lisboa.
A iniciativa é dirigida a estudantes do 7º ao 10º ano de escolaridade que revelem entusiasmo pela Ciência e pela Aprendizagem, estando limitada a um total de 30 participantes.
Através de palestras com alguns dos melhores cientistas em Portugal e de diversos módulos práticos, os participantes terão a oportunidade de descobrir e explorar a ciência da Aprendizagem e a aprendizagem da Ciência. Como trabalha e como pensa, de facto, um cientista? Como se desenha e analisa uma experiência científica? Como se escreve, publica e lê um artigo científico de uma revista internacional especializada? O que sabe a Ciência hoje em dia sobre as melhores formas de aprender, estudar e treinar?
A inscrição e a participação na Academia de Verão são gratuitas (e as refeições dos participantes estão incluídas), graças ao apoio do Instituto Superior Técnico e da Sociedade Portuguesa de Física.


sexta-feira, 9 de junho de 2017

Manuel Alegre vence Prémio Camões 2017


O escritor português Manuel Alegre é o vencedor do Prémio Camões 2017, foi anunciado esta quinta-feira na Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro, após reunião do júri.

Este prémio é o reconhecimento a uma obra "longa, exaustiva e rica" de Manuel Alegre como ensaísta, mas sobretudo como um "grande poeta" que marcou várias fases da vida nacional e que projectou de forma "inexcedível" a língua portuguesa.

Veja a notícia do sapo.pt

O Prémio Camões de Literatura foi instituído em 1988 com o objetivo de consagrar um autor de língua portuguesa que, pelo conjunto de sua obra, tenha contribuído para o enriquecimento do património literário e cultural de nossa língua comum.


As mãos

Com mãos se faz a paz se faz a guerra.
Com mãos tudo se faz e se desfaz.
Com mãos se faz o poema – e são de terra.
Com mãos se faz a guerra – e são a paz.

Com mãos se rasga o mar. Com mãos se lavra.
Não são de pedras estas casas mas
de mãos. E estão no fruto e na palavra
as mãos que são o canto e são as armas.

E cravam-se no Tempo como farpas
as mãos que vês nas coisas transformadas.
Folhas que vão no vento: verdes harpas.

De mãos é cada flor cada cidade.
Ninguém pode vencer estas espadas:
nas tuas mãos começa a liberdade.

O Canto e as Armas